Força-tarefa anti-corrupção do Brasil para ‘Lava Jato’ termina em melancolia

Noticias

SÃO PAULO (AP) – Uma proeminente força-tarefa de promotores brasileiros foi oficialmente dissolvida na quarta-feira, marcando o fim simbólico de uma unidade investigativa inicialmente elogiada por combater a impunidade entre a elite política e empresarial do país, mas recentemente sob fogo por alegações de parcialidade em suas investigações.

A investigação “Lava Jato” começou em março de 2014, investigando o câmbio do mercado negro envolvendo um posto de gasolina na capital do Brasil, Brasília, mas logo descobriu bilhões de dólares em propinas relacionadas a contratos de construção concedidos pela gigante estatal do petróleo Petrobras. Os investigadores descobriram que grande parte dos fundos ilícitos foi para os cofres do partido e bolsos de políticos.

A unidade compartilhou suas descobertas com outras nações, que espalharam o cálculo anticorrupção por toda a região.

Ex-presidentes, incluindo o brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, o peruano Alejandro Toledo, o panamenha Ricardo Martinelli e o salvadorenho Mauricio Funes, foram presos por algum tempo em decorrência de investigações na Lava Jato, assim como altos executivos das principais construtoras Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e Camargo Correa. A Odebrecht mudou recentemente de nome para Novonor.

O Ministério Público Federal do Paraná informou em nota que os nove integrantes da força-tarefa foram realocados para um grupo de combate ao crime organizado, denominado Gaeco. Cinco deles continuarão as investigações da Lava Jato, enquanto quatro estão assumindo obrigações inteiramente novas.

“A força-tarefa no Paraná deixa de existir, mas alguns de seus integrantes vão trabalhar no Gaeco com o objetivo de dar continuidade ao trabalho”, diz o comunicado.

Houve spin-offs menores de sondas Lava Jato nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Os promotores do Rio também serão absorvidos por Gaeco, enquanto os de São Paulo renunciaram em massa no ano passado.

No Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Noticias
Itamaraty responde à CPI que não é fonte da declaração de Bolsonaro sobre ‘guerra química’

CPI perguntou se origem da declaração do presidente, que fez referência indireta à China, é informação da pasta. ‘Será que não estamos enfrentando uma nova guerra?’, indagou Bolsonaro.

Noticias
Brazil Amazon: Illegal miners fire on indigenous group

The Yanomami group said they responded with bows and arrows, and shotguns. One indigenous person and four miners were injured. An estimated 20,000 illegal gold miners are in the Yanomami area, Brazil’s largest protected indigenous reserve. Violence in the Amazon has increased under President Jair Bolsonaro. The far-right president, a …

Noticias
Governador do Ceará prorroga lockdown por mais uma semana

Todas as cidades do estado estão sob medidas de isolamento mais rígidas de combate à covid-19