Auxílio emergencial menor começa a ser pago em meio à piora da pandemia

Noticias

Após um vácuo de três meses sem repasses, o governo federal inicia nesta semana os pagamentos da nova rodada do auxílio emergencial. Retomado na fase mais aguda da pandemia, com recordes de mortes e avanço de medidas restritivas nas cidades, o programa deste ano vai liberar o equivalente a 15% da assistência de 2020.

Os depósitos aos beneficiários serão feitos a partir de terça-feira (6) para nascidos em janeiro e seguirão a ordem das datas de nascimento. Para os recebedores do Bolsa Família, será mantido o calendário original do programa social, com pagamentos a partir de 16 de abril.

Uma nova rodada do auxílio em 2021 não estava no roteiro do governo. O plano inicial da equipe econômica previa uma redução gradual das parcelas, acompanhando os sinais de enfraquecimento da pandemia. O programa seria encerrado em dezembro e interligado a um Bolsa Família reformulado e mais robusto.

Alvo de veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o novo programa social acabou na gaveta e 2021 começou sem nenhum tipo de socorro emergencial aos trabalhadores informais.

O encolhimento do auxílio emergencial

A nova rodada só entrou em negociação após forte avanço da segunda onda da pandemia e aumento da pressão de parlamentares sobre o governo.

Aprovada junto com um pacote que define medidas de ajuste fiscal para crises futuras, a nova assistência terá custo máximo de R$ 44 bilhões. Em 2020, foram autorizados R$ 322 bilhões para essa finalidade, e R$ 293 bilhões foram efetivamente gastos.

No ano passado, o programa pagou cinco parcelas de R$ 600 e mais quatro de R$ 300 —mulheres chefes de família recebiam em dobro.

O governo gastou em média R$ 46,9 bilhões por mês na primeira fase do programa em 2020. Quando a parcela caiu para R$ 300, o custo mensal foi para R$ 15,9 bilhões. A nova rodada tem custo estimado em R$ 11 bilhões por mês.

O programa encolheu. Tem orçamento, público e valor menores. Serão quatro parcelas que variam a depender da formação familiar. O benefício padrão será de R$ 250. Pessoas que vivem sozinhas receberão R$ 150 por mês —limitação que não existia em 2020.

Para mulheres chefes de família, o valor será de R$ 375 —50% mais alto do que o benefício básico.

No Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Noticias
Itamaraty responde à CPI que não é fonte da declaração de Bolsonaro sobre ‘guerra química’

CPI perguntou se origem da declaração do presidente, que fez referência indireta à China, é informação da pasta. ‘Será que não estamos enfrentando uma nova guerra?’, indagou Bolsonaro.

Noticias
Brazil Amazon: Illegal miners fire on indigenous group

The Yanomami group said they responded with bows and arrows, and shotguns. One indigenous person and four miners were injured. An estimated 20,000 illegal gold miners are in the Yanomami area, Brazil’s largest protected indigenous reserve. Violence in the Amazon has increased under President Jair Bolsonaro. The far-right president, a …

Noticias
Governador do Ceará prorroga lockdown por mais uma semana

Todas as cidades do estado estão sob medidas de isolamento mais rígidas de combate à covid-19